. . .

21 de jul de 2014

A Roda de Tereré da RPPN Buraco das Araras Ecoturismo

Tereré oficial da RPPN Buraco das Araras Ecoturismo

É muito comum encontrar nas cidades do Mato Grosso do Sul as pessoas tomando o famoso tereré, considerado por muitos, uma paixão estadual. Além de uma forma de refrescar o calor que faz durante o verão no Estado, também é uma forma de confraternização social entre amigos.

Existem várias histórias de como surgiu essa bebida. Alguns contam que durante a Guerra do Paraguai, os soldados, tanto brasileiros quanto paraguaios, gostavam de tomar um mate durante os intervalos do combate. Mas como os intervalos eram poucos, começaram a tomar gelado mesmo porque não havia tempo suficiente para esquentar a água. Por fim, gostaram de tomar o mate gelado e assim teria surgido o tereré.

Há outra versão, que é mais aceita. Durante a Guerra do Chaco (entre Paraguai e Bolívia, de 1932 a 1935) quando as tropas começaram a beber o mate frio para não acender fogos que denunciaram sua posição. O tereré se tornaria uma bebida popular no Paraguai mais recentemente, introduzida no cotidiano do país pelos soldados, diz respeito aos mensú (escravos ervateiros do nordeste do Paraguai e da Argentina, até meados do século XX), se eles fossem surpreendidos pelos capangas fazendo fogo para tomar mate seriam brutalmente torturados, por isso tomavam o mate frio. Presumivelmente por esta razão que estes mensús introduziram este costume no exército paraguaio, quando lá tiveram que servir, durante a guerra.

No entanto, crê-se que o tereré ja era ingerido pelos índios Guarani, e existem relatos desde o século XVII onde alguns jesuítas aprenderam com eles as virtudes do mate (ka’a em guarani). Os mesmos jesuítas elogiaram os efeitos da erva, afirmando que este matava a sede melhor do que água pura. Segundo alguns, os índios Guarani não só tomam o mate (ou tereré), mas também a erva em infusão (como chá) e também fumando a erva bruta, como rapé.
No Brasil, o tereré foi trazido pelos paraguaios, que entraram pelo país através do estado do Mato Grosso do Sul e depois se espalhou para outras partes do mesmo. Todo o ciclo brasileiro da erva-mate do tereré teve início na cidade de Ponta Porã, que faz fronteira com Pedro Juan Caballero, cidade paraguaia, depois expandiu-se para outras cidades e estados.

No Mato Grosso do Sul esse costume está muito presente no dia-a-dia da população, podendo ser observado nas cidades e também nos eventos, como A Maior Roda de Tereré do Mundo que ocorre na capital do Estado, Campo Grande. A roda de tereré também está presente na música, Roda de Tereré do grupo Zíngaro:

Prove um tereré
Pode quem quiser
Nessa roda entrar
Ouça o chamamé
Desses que faz a gente arrepiar
Minha tradição
Solte o coração como lhe convém
Vem provar do doce
E amargo que essa erva tem
Faz muito calor tome um tereré
Seja lá quem for
Pode quem quizer
Traz um violão
Com o coração cante um chamamé


Em 2008, a RPPN Buraco das Araras participou do Projeto Economia da Experiência, inserindo a Roda de Tereré na visitação turística, juntamente com nossa área do café e televisão, onde o visitante pode experimentar essa delícia regional. Com isso os aspectos culturais da região puderam ser apresentados de forma mais interessante durante o passeio, sendo bem recebido pelos visitantes que aguardam sua vez ou que desejam ficar mais um pouquinho.
Tereré e café, na área de descanso e TV

Fonte: rodadeterere.com.br (acesso em 20/07/2014)
http://www.vagalume.com.br/grupo-zingaro/roda-de-terere.html#ixzz386MOWxeg

Postar um comentário