. . .

12 de jul de 2010

Aves na RPPN Buraco das Araras

Todo ambiente natural protegido oferece uma diversidade de fauna e flora, através desta percepção que a RPPN Buraco das Araras resolveu mostrar um pouco da sua avifauna postando toda semana uma ave diferente encontrada em nossa reserva. O destaque desta semana é o:

Gavião Pato

Foto: Bergson Romero Sampaio

Nome Popular: Gavião Pato

Nome Cietifico: Spizaetus melanoleucus ( Vieillot, 1816)

Nome Inglês: Black-and-White Hawk-Eagle

Ordem: Falconiformes

Família: Acciptridae

Descrição: Mede 51 a 61cm, com envergadura de até 117cm, pesa entre 700 a 800g, apresenta plumagem branca na cabeça e nuca, região superior do dorso e toda parte inferior, o dorso e as asas são cinsa escuro, quase negros. Na cabeça tem um diminuto topete preto em forma de coroa, apresenta ainda uma mascara preta que contrasta e destataca a iris amarela, enquanto os tarsos são completamente emplumados.

Habitat: Prefere áreas abertas ou semi-abertas, banhados, pantanais, mata de galeria, cerrados, matas secas, pastos, restingas eucalipitais e a zona rual. Localmente migratório.

Alimentação: Alimenta-se de outras aves tais como, tucanos, papagaios, periquitos, baitacas e urus, se alimenta também de répteis e anfíbios, aqui na reserva ( Buraco das Araras) tem sido observado o mesmo tentando predar araras jovens.

Primeira observação e comportamento da Ave na RPPN Buraco das Araras: A primeira vez observado na RPPN foi no ano de 2001, com frequentes aparições nos meses de Julho e Agosto. Sempre que pousa próximo a formação, as araras em um ato de proteção do seu habitat voam em bandos afim de espantá-lo da sua área de reprodução, formando um verdadeiro espetáculo.

Foto: Bergson Romero Sampaio


Referência:
Sgrist, Tomas. Guia de Campo Avis Brasilis-Avifauna Brasileira: Descrição das Espécies. Traduzido por Maria Tereza Quirino; ilustrado por Tomas Sgrist-São Paulo: AvisBrasilis, 2009.

Aves de Rapina do Brasil.<http://www.avesderapinabrasil.com/spizaetus_melanoleucus.htm> Acesso em 12/07/2010.
Texto: Marizabel Salvador

Postar um comentário